Entrevista com Bruce Wayne, o magnata engajado de Gotham

Conhecido por muitos como magnata, Bruce Wayne venceu o prêmio Melhores do Ano de Metrópolis por suas ações filantrópicas. Na categoria tecnologia era um fortíssimo candidato, mas não levou a estatueta dessa vez.

Eu o entrevistei na sede da Wayne Enterprises, em Gotham, com exclusividade para o Planeta Diário Sucursal Brasil. Numa sala de conferências ele me recebeu num alinhado terno e com uma aura de seriedade, que foi quebrada numa conversa descontraída.
 

 

Leena Clarckson: O senhor administra um império de tecnologia, com ramificações por todo o mundo e utiliza parte de seus lucros em causas filantrópicas como saúde e segurança. Ser reconhecido e premiado por isso aumenta sua responsabilidade?
Bruce Wayne: Primeiramente Leena, pode me chamar de Bruce – (diz ele sorrindo) –  e bom, a responsabilidade quando se fala em pessoas que enfrentam situações traumáticas de violência é muito grande. Para mim o reconhecimento de Metrópolis significa que agora, mais pessoas conhecerão o projeto e poderão fazer parte dele, o que é muito bom.
LC: Como elas podem ajudar?

BW: Veja, existem voluntários que prestam assistência em hospitais, escolas e em alguns centros de apoio para jovens. São médicos, psicólogos, professores, religiosos, nutricionistas e pessoas que não querem que o trauma de uma violência sofrida transforme momentos ruins em pessoas ruins. Todos sabem que para mim é algo muito pessoal. Se num momento como esses a pessoa, (principalmente um jovem), não tem apoio, alguém que a resgate e a ajude, ela se perde.
 

 

LC: Além desses projetos, você lidera a Wayne Enterprises que hoje está entre as 5 maiores empresas de tecnologia do mundo – também pratica esportes, gosta de pilotar veículos exclusivos, está a frente de pesquisas de novos dispositivos de comunicação –  e ainda tem uma agenda social muito badalada. Como concilia tudo isso? Você dorme?
BW: (risos) Sim minha agenda é agitada, a parte social em sua grande maioria tem sido para compromissos ligados a empresa. Não nego que são recepções muito agradáveis e acabo me divertindo, mas fazem parte do meu trabalho. Eu procuro participar ativamente de todos os projetos e a área de pesquisas sempre me seduziu. São tantos erros e acertos até que você consiga descobrir a fórmula, ou o caminho correto… Isso é fascinante! No fundo tudo se trata de fazer o que se gosta, então você não sente o peso da agenda porque gosta de cumpri-la. E eu durmo sim.
LC: Como Metrópolis se encaixa nesses projetos?
BW: Metrópolis é um grande centro, além de populosa tem muita tradição na área de educação, uma universidade e um hospital que são referências na região. Tem problemas como qualquer grade cidade, mas tem um cenário econômico incrível para qualquer empreendedor. É uma cidade de grandes oportunidades e eu não poderia estar fora disso.
 
LC: Apesar de sua força no ramo tecnológico, quem ganhou o prêmio nessa categoria em Metrópolis foi a LexCorp, do empresário Lex Luthor. Falando sobre essa área de sistemas operacionais para comunicação segura, qual sua opinião sobre o LEX/OS?
BW: Não posso falar com total segurança sobre o sistema até ele ser finalizado. Como a LexCorp ainda não o finalizou temos que aguardar para ver se irá funcionar como proposto. A ideia do projeto é uma premissa básica de telecomunicações: você precisa que o conteúdo de sua “conversa” chegue de forma clara e segura até o destinatário. Com todos os avanços tecnológicos e o surgimento de várias ferramentas, canais e dispositivos, esse controle se torna mais complicado, mas não impossível. Vou esperar ver como será o modelo final para poder declarar algo a respeito. Mas se a Wayne tivesse ganho eu estaria ainda mais satisfeito, é claro! 

 

LC: Além da premiação em Metrópolis, você foi eleito aqui em Gotham como o homem mais cobiçado da cidade. Isso mudou algo em sua rotina?
BW: (uma gargalhada) Nossa essa foi a grande surpresa do ano. Olha para mim e diga se eu sou isso mesmo?
LC: Acabou de me deixar numa saia justa. Estou trabalhando Sr. Wayne, não fuja da pergunta! (risos)
BW: Ok, como no momento não tenho nenhum relacionamento as pessoas ficam cogitando coisas. Estou satisfeito com minha rotina atual, mas não estou fechado caso apareça alguém que valha a pena. Porém, tem que ser uma mulher de personalidade para me acompanhar. Espero que nos encontremos.

 

 

Após um agradecimento e alguns comentários corriqueiros sobre Metrópolis e Gotham, ele saiu da sala para reuniões preenchendo toda a tarde. No meio de projetos no ramo de comunicações, segurança e até aeronáutica, a Wayne Enterprises não para.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *