Roteirista Chris Roessner fala sobre Henry Cavill e o filme Sand Castle (Castelo de Areia)

 

Tradução da entrevista original, em inglês, concedida ao parceiro Henry Cavill Org, publicada em 23/12/16

 

Passado no Iraque em 2003, Sand Castle é baseado na experiência do roteirista Chris Roessner como metralhador no Triângulo Sunita do Iraque. O enredo é centralizado em Matt Ocre (Nicholas Hoult), que faz parte de uma missão para concertar um sistema de água quebrado na perigosa e instável vila do Iraque, Baquba. Enquanto as pessoas de Bagdá recebem os americanos como salvadores, os moradores da vila resistem à sua presença e Matt e sua unidade devem tentar convencer a comunidade que eles são parte da solução, não o problema, com o propósito de salvar a cidade e saírem vivos. Henry Cavill interpreta o capitão de forças especiais no comando da operação em Baquba. Nos encontramos com o Sr. Roessner para perguntar à ele sobre seu filme e trabalhar com Henry.

 

De onde a ideia para o filme veio?

 

Eu servi no exército americano e fui transferido para o Iraque durante a invasão inicial. Isso foi entre 2003 e 2004. Eu passei um ano lá e, até antes, eu sabia que queria fazer filmes. Eu me lembro de ver o filme Platoon do Oliver Stone às 3 horas da manhã. Eu estava no palácio de Saddam Hussein em Tikrit e o filme terminou ao mesmo tempo em que o sol estava aparecendo. Foi um momento que mudou minha vida. Eu pensei… Eu não fazia ideia de que poderia ser feito um filme tão pessoal, tão poético, sobre a jornada durante a guerra e a busca por significado. Não era um filme sobre “missão”. Ou seja não era um filme sobre um objetivo particular, mas era mais sobre experiência. É um filme sobre busca, sobre a dificuldade de um jovem de manter sua alma intacta mesmo com a guerra tentando corrompê-la. Eu queria fazer uma coisa semelhante à isso. Você poderia traçar esse filme nesse momento em 2004.

 

Nos conte sobre o personagem do Henry Cavill, Capitão Syverson, e seu lugar dentro do filme.

 

Me perdoe se eu sou um pouco intransparente. Mas não quero revelar muito. A revelação do personagem dele é tão boa que eu odiaria roubar isso da platéia. O que eu irei dizer, é que Syverson é um líder de equipe das forças especiais que existe como um personagem de contraste para nosso pelotão principal. Ele não está de “passagem” como se diz, como alguns dos outros personagens. Não tem conversa sobre “ir para casa” ou que sonhos estão à frente dele. Ele pertence ao Iraque, ele esteve lá por um tempo e leva seu trabalho muito à sério. Se espera que depois do final do filme Syverson será mandado para outro lugar… Afeganistão, Somália, etc. Para resolver os mesmos problemas. Ele é inteligente, duro, a personificação do potencial humano operando ao seu máximo.

 

Como Henry Cavill foi escolhido para o papel de Capitão Syverson?

 

Eu sei que falo pelo time de Sand Castle quando eu digo que todos nós ficamos muito felizes em ouvir que Henry queria interpretar Syverson. Eu saberia que o irmão dele era/é da marinha real e eu ouviria “atrás da videira” que Henry leva retratar militares muito à sério. Obviamente, essa atitude séria era compartilhada por todos nós. Ninguém estava interessado em criar caricaturas ou exibir uma masculinidade arrogante sem nuance. Henry tinha a mesma visão e isso o fez o encaixe perfeito. Ele sentiu a mesma responsabilidade que todos nós sentimos e nós tivemos sorte de tê-lo.

 

O que tinha em Henry que combinava bem com o papel?

 

Certamente, o que eu mencionei acima. Além disso, de uma forma superficial, ele com certeza parecia pra caramba com o papel. Quero dizer, o cara é o Superman. Você viu os filmes. Ele está ridiculamente em forma. E estes soldados das Forças Especiais que conheço, quando não estão em missões, eles estão malhando. Esse é o estilo de vida e o tipo de corpo o segue. Então isso estava claro. Então Henry aparece em Jordan e, em tipo, dia 1, o cara raspa a cabeça. Agora, vou ecoar o que o diretor Fernando disse que é que Henry está literalmente irreconhecível. Isso é verdade.

 

Segundamente, eu diria que é normalmente o caso de atores que pegam papéis “diferentes do seu normal” fazê-los tão cuidadosamente, bem pensado e apaixonadamente. Henry é um homem ocupado, merecidamente, e tirar um tempo para fazer nosso filme demonstrou um comprometimento real em fazer algo diferente. Quero dizer, vamos ser claros, não tem incentivo monetário para ninguém para fazer um filme de guerra independente. Você tem que fazê-lo pelas razões certas, pela história, para te tirar da sua zona de conforto, para crescer. Henry tinha essa atitude e eu acho que as pessoas vão ficar muito surpresas com a perfomance que ele vai entregar. Se preparem para algo diferente.

 

Alguma história engraçada ou interessante durante o tempo de Henry no filme?

 

Algumas. Minha favorita é do jantar do elenco, logo antes da produção. Então, o elenco inteiro está tendo um jantar no estilo banquete em um bom restaurante em Amã. Henry está sentado de frente para mim, tínhamos acabado de nos conhecer e não tínhamos conversado tanto, então eu estava esperando que fosse um pouco constrangedor. Mas totalmente o contrário foi verdade. Nós começamos falando sobre nossas famílias, de onde viemos, nossa infância, etc. Foi revigorante. Agora, colocando no contexto, eu sou do Cinturão da Ferrugem e do Sul nos EUA. Eu não fico fascinado por estrelas de cinema, mas eu fico fascinado por bons seres humanos com bons valores. Henry foi assim desde sua primeira palavra. Fundamentado e decente. Nós falamos um pouco sobre nossos pais, as horas passaram, o jantar acabou, e eu percebi que nós não mencionamos o filme nenhuma vez. Foi ótimo.

 

Depois do jantar, nós todos começamos a beber, eu estava conversando com o Logan (Marshall-Green) sobre o teatro e nossos dramaturgos favoritos, etc. E sempre em alguns minutos Henry me dava um tapinha no ombro, me dar uma dose de tequila e eu bebia. Em retrospectiva, eu não tenho nem certeza se Henry estava bebendo. Mas quem se importa?! Qualquer um que me dê tequila de graça é bom para mim.

 

Nos conte sobre trabalhar com um elenco tão bom incluindo Nicholas Hoult, Henry, Tommy Flanagan entre outros.

 

Há literalmente muita coisa boa à dizer. Sério. Trabalhar com esse elenco foi uma das maiores alegrias da minha vida. Hoult, que permaneceu com o filme por dois anos antes que acontecesse, realmente configurou as coisas desde o primeiro dia. É um ator muito preparado e alegre que consegue criar um ambiente familiar no estúdio. Quero dizer o cara trouxe sua família de verdade! A mãe e o pai dele. Eles eram adoráveis, inclusive. E esse tipo de coisa faz diferença quando é meio dia e você está no meio do nada. Eu também deveria mencionar que eu dei para ele o diário que eu tinha no Iraque quando eu tinha 19 anos. Isso deverá te mostrar o quão bem eu penso dele e o quanto eu confio nele. Quem em sã consciência quer compartilhar seus profundos e estúpidos pensamentos com 19 anos com outra pessoa?

 

Todos os outros realmente criaram laços uns com os outros, eles formaram aquela camaradagem de pelotão quase imediatamente; então, quando era hora de trabalhar esse sentimento era passado para a cena. Tenha em mente, esses atores estavam representando aspectos de pessoas reais, meus amigos que tiveram as vidas mudadas ou terminadas pela guerra. A última coisa que você quer é alguém aparecendo e sendo arrogante e arruinando toda a dinâmica. Eu me preparei pra isso, esperei por isso. Certamente, com um elenco tão grande, algum ator ia ser um saco. Não. Nem mesmo um. Amizades foram formadas, todos encararam a experiência juntos. O bom e o ruim. Destacando também Neil Brown Jr., Beau Knapp e Glen Powell. Espere até você ver esses caras brincando um com o outro. Eles são engraçados pra caramba nas telas se for preciso, e então eles destroem seu coração quando as balas começam a voar.

 

Descreva a experiência da filmagem no local para Sand Castle.

 

Tenho que entregar essa para a nossa equipe da Jordânia. Eles trabalharam sem descanso, foram tão agradáveis e tinham plena experiência de filmes passados na área (Guerra ao Terror, Perdido em Marte). Essa é a primeira coisa que eu quero mencionar. O quanto eu gostei do tempo que passei com eles e o quanto eles foram profissionais.

 

Agora, não quero pintar um quadro com só com tons de rosa. Nós fizemos um filme independente de guerra, do outro lado do mundo, com orçamento e cronograma apertados. Não existe um mundo em que isto seria fácil. Foi muito o que pedir para qualquer um para passar aquele tempo longe de sua família e existir SOMENTE no estúdio ou em um quarto de hotel por muitos meses. Mas, como eu disse, nós estávamos todos na trincheira juntos. Você ama mais as pessoas quando você sofre e tem sucesso com elas… Ou talvez nós só somos todos masoquistas.

 

Quando e onde o filme vai ser liberado? Vai ter uma estréia/tapete vermelho teatral?

 

Eu saberei as respostas para isso logo. Essas decisões estão acima do meu nível salarial. Eu só escrevo os filmes. Mal posso esperar para ver como ficou e para compartilhar ele (Nota da edição: De acordo com “Film Music Reporter”, o filme vai sair na Netflix em 2017).

 

Fotos e vídeos enquanto faziam os filmes foram compartilhadas na rede social pelo elenco e pela equipe. Como a rede social mudou como um filme é promovido?

 

As redes sociais tiveram um papel importante durante a produção do filme e mal posso esperar para que continuem depois que o filme for liberado. Na verdade, quando você está no estúdio e os dias estão ficando mais longos, é divertido tirar algumas fotos no snap, postar elas online e perceber que são coletas por sites como este. Diferente do teatro, não tem conexão imediata com a platéia quando você está trabalhando. Você faz um filme, um ano depois ele sai, e então você consegue dialogar com as pessoas. A “platéia” até o dia de liberação, é esta coisa nebulosa, sem…. rosto. Mas aí você consegue se comunicar com indivíduos online, isso te dá uma sacudida para continuar, para trabalhar mais, que vale a pena seu tempo e lealdade. Eu espero que isso seja o que nós fizemos.

 

Sobre imagens, eu não tenho permissão para compartilhar elas agora. Mas imagino que não vá demorar até que os materiais promocionais sejam liberados. Obrigada novamente pelo seu apoio contínuo.

 

Chris Roessner é um roteirista, veterano americano das Operações Especiais, e investido por Pat Tillman Foundation. Seu primeiro filme Sand Castle arrasou a lista de 2012 e foi feito em filme estrelando Nicholas Hoult e Henry Cavill. Ele mora em Los Angeles, CA com sua esposa e roteirista televisiva, Sneha Koorse. É representado por UTA e LBI Entertainment. Ele pode ser encontrado no Twitter por @CitizenRoessner. Nós o agradecemos por tirar um tempo para conversar conosco e estamos animados para ver o filme quando ele sair em 2017.

ASS-ys-tr

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *